Auto conhecimento

O que fazer para ser feliz no amor?

Uma das coisas que mais escuto em meus atendimentos é dúvidas amorosas em geral. Diante do desconhecido surge a pergunta: o que fazer para ser feliz no amor?

Essa é, sem sombra de dúvidas, a pergunta que vale um milhão de dólares. Todo mundo quer responder de forma simples, mas, infelizmente, não tem uma resposta exata ou pronta para responder, cada caso deve ser levado em consideração.

Porém, podemos olhar um pouquinho para a parte terapêutica para entender melhor o que nos leva a sermos mais ou menos felizes no amor.

Fiz este post para esclarecer algo que nos tira o sono e até nos deixa perdidos, sem saber o que fazer.

Quer saber o que fazer para ser feliz no amor? Leia o post abaixo.


1. Esqueça as expectativas

Isso é super comum na sociedade em que vivemos, pois vemos casais juntos e achamos que ele sim são felizes. Então, nos iludimos com a ideia de que, se você está com alguém é porque está feliz, pleno e realizado. Se você está sozinho é porque fez alguma coisa errada.

É importante saber o que te levou a procurar fulano e ciclano, e mais ainda, o que te levou a se envolver com a pessoa. Desconstrua a ideia de que para ser feliz você precisa ter alguém.

Outra coisa: mentiram pra você quando falaram que você iria encontrar a metade da sua laranja.

Saber disso pode doer um pouquinho, porque tira a ideia de que tem alguém te esperando em algum ponto do planeta, uma pessoa super compatível que só falta “topar” com ela em algum lugar, como nas comédias de filme romântico.

Isso nunca vai acontecer!

Aquele boy que parece um príncipe encantado, que vai vir montado num cavalo branco ou aquele romance estilo Julia Roberts em “Uma linda mulher” só existe nos contos de fadas e em Hollywood. As pessoas são reais, e mais do que isso, cheias de problemas. É um fato doloroso.

Lembre-se: a angústia nasce por causa do nosso excesso de possibilidades, que são ilusórias. Sonhos e idealizações não existem! Esqueça esses ideais e seja livre das angústias.

2. Desenvolva responsabilidade emocional

É muito importante pensar nas questões emocionais, saber o motivo que te levou a se relacionar com alguém e porquê.

Nem sempre a gente encontra resposta para todas essas perguntas, mas às vezes, a gente procura uma pessoa pelo medo de ficar sozinho, ou seja, pela carência.

Dentro da psicanálise, existe a ideia de que criamos a sensação de total e absoluto conforto quando estamos dentro da barriga da nossa mãe. Quando nascemos, perdemos essa sensação de proteção e nos sentimos desamparados.

Quando crescemos, projetamos todos os nossos desejos na pessoa amada, pois está na moda o amor cortês, ou romântico. Achamos que se uma pessoa aparecer na nossa vida, ela vai preencher todas as lacunas da nossa vida, e tudo estará resolvido.

Na verdade, nada e nem ninguém pode preencher esse vazio, porque ele é inerente ao fato de existir. Portanto, se você quer ser feliz no amor, comece a aprender a lidar com seus medos, sua carência, sua sofrência, sua solidão e suas dores.

Quem disse que ser adulto é fácil?

3. Esqueça o amor cortês

O amor cortês é o amor entre o casal clássico que escutamos nas histórias do “foram felizes para sempre”. Acontece que o amor cortês, como diz o nome, é uma ideia de que o homem tem que cortejar a moça e fazer um esforço hercúleo para beijar e ficar com sua amada, como em Romeu e Julieta.

O amor cortês é impossível de se sustentar, acaba que o casal fica se “cortejando” eternamente, como se o amor fosse algo que medisse a felicidade, como se nada mais importasse além da paixão. E aí nascem as insatisfações e exigências dentro do relacionamento.

Sejamos realistas, a paixão vai acabando com o tempo, a amizade e o respeito permanecem, ninguém aguenta a ideia de ter que agradar o outro, fazendo tudo para o casal. E aos poucos, vemos que esse amor só existe no ideal, no imaginário.

O amor precisa de espaço para vingar e não dá nada certo se o casal fica fechado em si mesmo, como se nada mais importasse. Se você deseja este tipo de relacionamento simbiótico, saiba que essa é a porta para o fracasso!

4. Seja feliz com você mesmo

Todo mundo fala em amor próprio, auto estima e individualidade, mas quando nos apaixonamos por alguém, toda essa frágil estrutura de identidade, vai por água abaixo. Nos esquecemos de nós mesmos para ficar com o outro e receber atenção.

Isso porque quando nossa estrutura interna é frágil, precisamos de alguém para dizer que somos bonitos, que somos capazes, que somos inteligentes.

Para você ser feliz no amor, antes de tudo, você precisa dizer eu sou bonita, eu sou capaz, eu sou inteligente e se amar, antes de qualquer coisa! Eu me amo e me aceito como sou, não tem nada que nos faça mais feliz, não tem preço e só você pode fazer por você.

Se você quer ser feliz no amor, tome um banho de auto estima. Faça coisas que você gosta, vá em lugares que você ama frequentar, more onde você quer, passe um tempo com você mesmo. E tá tudo bem ficar sozinho, você está com você e isso é tudo.

Sim, você vai sentir medo, vai sentir carência, vai se sentir mal às vezes, mas aprenda a lidar com você e suas emoções. Este é um grande salto, pois nos livramos da carência e sofrência e deixamos de estar com alguém por medo ou insegurança.

Lembre-se: a carência e sofrência está super na moda, nos filmes e nas músicas, então, não caia na armadilha de escolher amores difíceis. Sofrimentos amorosos podem ser prejuízo para um e lucro para outros, existe um mercado da sofrência que lucra muito com suas escolhas!

5. Dar mais do que receber

Esta dica é a mais importante. Eu ouço muito de pessoas que se encantaram com alguém, “investem” (vale lembrar que pessoas não são capital ou CDB) nelas com tempo e atenção e depois de doar tudo o que tem de melhor, se deparam que receberam pouco ou quase nada.

Claro que você não deve se contentar com migalhas! Mas veja bem, não se sinta culpada ou culpado porque você deu o seu melhor: pelo menos você tinha algo para dar.

Quando estamos no patamar do dar despreocupadamente, é sinal que paramos que querer algo em troca, e simplesmente demos algo de bom, que podíamos dar naquele momento para alguma pessoa. Então, se a pessoa não for recíproca com você, apenas ande e continue.

Você deu o seu melhor, foi sincero e o melhor, tinha muito amor pra dar. Se for pra pessoa “errada” você não teve culpa, pois não conhecia ela e não tinha como adivinhar. A gente só dá aquilo que tem. E que bom que você está pensando no outro também.

Quando paramos de querer ficar com alguém por medo ou preguiça, conformismo ou inseguranças, não ficamos chateados no quanto doamos, mas no quanto oferecemos. Porque ali, você queria o melhor para aquela pessoa.

Enfim, o que fazer para ser feliz no amor?

Ame de peito aberto, pois amar é um ato de coragem!

Se a pessoa não quis seu amor, meu bem, existem 7 bilhões de pessoas no mundo, e você vai ter muitos parceiros e parceiras legais.

Entenda pra hoje: o amor é apenas uma cadeira do espetáculo da sua existência.

Vida profissional, atividade física, ajudar o próximo, cuidar da natureza, alimentação saudável, estudos, viajar e família são outras cadeiras que você deve preencher e colocar muita alegria e satisfação na vida. A vida amorosa não deve ser sua única fonte de felicidade, JAMAIS!

Gostou das dicas? Me siga nas redes sociais ou marque uma sessão de Tarot no (48) 98826-4115.

Sou grata pelo servir, namastê.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *